Cidadania Cosmopolita

Samuel Firmino de Brito

Advogado especialista em Ciências Criminais (PUC/MG) e Direitos Fundamentais (IBCcrim/Coimbra)

Segundo a academia, nas palavras de Paulo Dias:

[…] esse conceito de cidadania assente na nacionalidade está hoje em crise, fruto da ‘mundialização’ e decorrente dos citados movimentos sociais, que não se esgota nos movimentos migratórios físicos, sendo amplificado pela era da informação, que quebrou as barreiras físicas da propagação da informação. É neste quadro de alteração dos paradigmas tradicionais da relação do ‘cidadão’ com o Estado e da emergência de novos fenômenos como o ‘multiculturalismo’, que assistimos ao advento de conceitos como ‘cidadania cosmopolita’. A necessidade de refundação do conceito da cidadania, assente numa visão cosmopolita e supra-estadual, não é exclusiva do direito, sendo hoje acesa e profícua a discussão desta matéria em várias ciências sociais, com destaque para a filosofia política.

Referências:

DIAS. Paulo Joaquim Borges Linhares. Mundialização e Multiculturalismo e a Refundação do Conceito de Cidadania – Uma Cidadania sem Estado?. Trabalho apresentado no seminário Humanização do Direito Internacional do 3º Ciclo de Estudos em Direito – Doutoramento em Direito Público – da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, sob orientação da Professora Paula Veiga. 2017, destaques nossos e do original.
.

Deixe uma resposta